Questões de Concursos


1 - Q439360 ( Prova: IF-SC - 2014 - IF-SC - Professor - Português / Português )

Considere a leitura do texto a seguir para responder a questão.

                                 Você é um número

     Se você não tomar cuidado vira número até para si mesmo. Porque a partir do instante
em que você nasce classificam-no com um número. Sua identidade no Félix Pacheco é um
número. O registro civil é um número. Seu título de eleitor é um número. Profissionalmente
falando você também é. Para ser motorista, tem carteira com número, e chapa de carro. No
Imposto de Renda, o contribuinte é identificado com um número. Seu prédio, seu telefone, seu
número de apartamento – tudo é número.
     Se é dos que abrem crediário, para eles você é um número. Se tem propriedade,
também. Se é sócio de um clube tem um número. Se é imortal da Academia Brasileira de
Letras tem o número da cadeira.
     É por isso que vou tomar aulas particulares de Matemática. Preciso saber das coisas.
Ou aulas de Física. Não estou brincando: vou mesmo tomar aulas de Matemática, preciso
saber alguma coisa sobre cálculo integral.
     Se você é comerciante, seu alvará de localização o classifica também.
     Se é contribuinte de qualquer obra de beneficência também é solicitado por um número.
Se faz viagem de passeio ou de turismo ou de negócio recebe um número. Para tomar um
avião, dão-lhe um número. Se possui ações também recebe um, como acionista de uma
companhia. É claro que você é um número no recenseamento. Se é católico recebe número de
batismo. No registro civil ou religioso você é numerado. Se possui personalidade jurídica tem. E
quando a gente morre, no jazigo, tem um número.
     E a certidão de óbito também. Não somos ninguém? Protesto. Aliás é inútil o protesto. E
vai ver meu protesto também é um número.
    Uma amiga minha me contou que no Alto Sertão de Pernambuco uma mulher estava
com filho doente, desidratado, foi ao Posto de Saúde. E recebeu a ficha número 10. Mas dentro
do horário previsto pelo médico a criança não pôde ser atendida porque só atenderam até o
número 9. A criança morreu por causa de um número. Nós somos culpados.
    Se há uma guerra, você é classificado por um número. Numa pulseira com placa
metálica, se não me engano. Ou numa corrente de pescoço, metálica.
     Nós vamos lutar contra isso. Cada um é um, sem número. O si-mesmo é apenas o si-
mesmo.
     E Deus não é número.
     Vamos ser gente, por favor. Nossa sociedade está nos deixando secos como um
número seco, como um osso branco seco exposto ao sol. Meu número íntimo é 9. Só. 8. Só. 7.
Só. Sem somá-los nem transformá-los em novecentos e oitenta e sete. Estou me classificando
com um número? Não, a intimidade não deixa. Veja, tentei várias vezes na vida não ter número
e não escapei. O que faz com que precisemos de muito carinho, de nome próprio, de
genuinidade.
     Vamos amar que amor não tem número. Ou tem?
                                                                            

                                                                                                                                 07 de agosto de 1971.
(LISPECTOR, Clarice. Você é um número. In: A descoberta do mundo. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1999).

Considerando a leitura do texto, assinale a alternativa CORRETA.



2 - Q439361 ( Prova: IF-SC - 2014 - IF-SC - Professor - Português / Português )

A partir da leitura do texto, assinale a alternativa CORRETA.



3 - Q439368 ( Prova: IF-SC - 2014 - IF-SC - Professor - Português / Português )

Considere a leitura do texto a seguir para responder à questão.

                               Língua em funcionamento


     Uma das razões, entre tantas, que explicam os resultados pífios de doze anos de escola, especialmente em testes de leitura, é que muitas práticas escolares são irrelevantes ou banais. Estudos de livros didáticos mostram que ainda se discutem ou analisam frases como “O
menino leu o livro” ou que as atividades de leitura param nas perguntas e respostas óbvias:
“Era uma vez um rapaz que gostava de rock” etc. Responda: Do que gostava o rapaz?
     Podem-se fazer coisas mais interessantes. A primeira é analisar textos que ofereçam
verdadeiros problemas, e não nenhum problema, como o exemplificado acima. Se, em vez de
ler “o pato nada na lagoa” (gerações fizeram isso…), os alunos lessem “o pato nada com duas
patas”, o trabalho poderia render um pouco mais, sem cansar ninguém. Ao contrário, até pode
divertir. Se os alunos não sacarem, explica-se que “duas patas” pode designar tanto os membros que o pato movimenta para ir em frente quanto duas fêmeas da mesma espécie que o
acompanham nessa atividade corriqueira. Mas que não se mande, logo em seguida, fazer uma
lista de femininos. Seria deprimente (na verdade, deveria escrever outra palavra).
     Espero que ninguém diga que um texto como esse insinua algum tipo de imoralidade ou
que é uma defesa sub-reptícia da poligamia ou da infidelidade matrimonial…
     Frases curtas são bons materiais para este tipo de análise [...], porque o controle do
texto pode ser facilitado. Atividades aparentemente banais como esta aguçam a mente dos alunos, e os deixam atentos para ver coisas similares nos textos que devem ler continuamente.
Autor defunto / defunto autor logo deixa de exigir longas explicações.
     O poeta é um fingidor (finge dor?) /finge tão completamente (mente?) /que chega a fingir que é dor (fingidor, finge dor) etc. Pode não ser uma leitura a ser defendida em um congresso, mas não ver esses jogos no texto é muito pouco.
     Piadinhas oferecem “detalhes” que desenvolvem o ouvido e o cérebro: – O que a célula
disse ao barbeiro
? – Mitose. Diversas coisas são interessantes (mas não se trata de nada
transversal…). Mas olhe-se de perto “mitose”. Pode-se sacar a forma “me tose”, que não é
mais uma só palavra nem se escreve com “i”. Claro, pode-se ver também que, se “me tose”
gera uma piada, “tose-me” a impede… Lição de sintaxe do português vivo?
     Uma charada como “adora regiões” (dica: estado brasileiro), cuja resposta é Amazonas
revela uma questão semelhante: como saber se “amazonas” é uma palavra ou se são duas?
Se estivermos lendo textos que tratam do Brasil, de seus estados etc., por mais que, ao ler
“amazonas”, o demônio do duplo sentido nos assalte, temos que reprimir esta tentação e ler
uma palavra só. Mas se estamos jogando e não descobrimos que “gosta de” é igual a “ama” e
“regiões” é igual a “zonas”, então estamos ficando com a cabeça seca…
     A verdadeira língua não diz sempre “o gato mia” ou “Eva viu a uva” (essa até que é boa,
comparada com a outra), mas é (seria) muito melhor poder ler
     - Ave, Eva!
     - Ave, Adão”
dividindo as palavras de outra forma na resposta de Eva. No Éden se falava português? Pode
ser que não, mas no reino das piadas, pode ser que sim. E o casal parecia bem humorado, antes de a cobra se meter (epa!).

(POSSENTI, Sírio. Língua em funcionamento. Disponível em: <
http://terramagazine.terra.com.br/blogdosirio/blog/2011/10/20/lingua-em-funcionamento/>. Acesso em 14 fev. 2014).

Com base no texto, assinale V para as afirmações verdadeiras e F para as falsas. 


( ) Sírio Possenti compreende a língua como se fosse um código, um conjunto de signos que se constituem a partir de determinadas regras e deve ser dominado pelos emissores e receptores, em diferentes situações e contextos, para que ocorra a comunicação.
( ) O linguista atenta para a importância de um ensino de língua voltado para seus usos e reflexões e critica atividades que têm aparecido por muito tempo em livros didáticos, que se restringiam à localização e/ou repetição de informações.
( ) Possenti procura chamar atenção para a relevância de determinados gêneros discursivos no ensino de Português e para as frases que, embora curtas, fortalecem a aprendizagem da nomenclatura e da colocação pronominal.
( ) O autor defende que o ensino de Português pode ser feito também com piadas, porque, além de oferecerem divertimento, desenvolvem a percepção e colaboram para um olhar polissêmico a respeito do léxico e da língua.
( ) O pesquisador, apesar de valorizar a gramática normativa, reforça o ensino de língua por meio de textos escritos, os quais são compreendidos como um processo, porque dependem da participação do leitor – aquele que, recriando, vai completar as lacunas. 

Assinale a opção que contém a sequência CORRETA de cima para baixo.



4 - Q439369 ( Prova: IF-SC - 2014 - IF-SC - Professor - Português / Português )

“NORMALMENTE, quando as pessoas falam em gramática, desconhecem que podem estar
falando não de uma coisa só, mas de coisas bem diferentes. Essa falsa impressão é também
decorrente daquela já referida redução que os fatos linguísticos têm sofrido.

Na verdade, quando se fala em gramática, pode-se estar falando:

a) das regras que definem o funcionamento de determinada língua, como em: “a gramática do
português”; nessa acepção, a gramática corresponde ao saber intuitivo que todo falante
tem de sua própria língua, a qual tem sido chamada de ‘gramática internalizada”;
b) das regras que definem o funcionamento de determinada norma, como em: “a gramática
da norma culta”, por exemplo;
c) de uma perspectiva de estudo, como em: “a gramática gerativa”, “a gramática
estruturalista”, a “gramática funcionalista”; ou de uma tendência histórica de abordagem,
como em: “a gramática tradicional”, por exemplo;
d) de uma disciplina escolar, como em: “aulas de gramática”;
e) de um livro, como em: “a gramática de Celso Cunha”.

Cada uma dessas acepções se refere a uma coisa diferente. Todas, na verdade, coexistem.
Sem problemas, mas precisam ser percebidas nas suas particularidades, nas suas funções e
nos seus limites.”

ANTUNES, Irandé. Que gramáticas existem?. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no  caminho. São Paulo: Parábola Editorial, 2007. P. 25-26.


Acerca das ideias apresentadas no texto, analise as seguintes afirmativas e assinale a que estiver CORRETA:



5 - Q439371 ( Prova: IF-SC - 2014 - IF-SC - Professor - Português / Português )

Considerando a função morfossintática das palavras destacadas no trecho a seguir, assinale a alternativa que estiver CORRETA.
“NORMALMENTE, quando as pessoas falam em gramática, desconhecem que podem estar falando não de uma coisa só, mas de coisas bem diferentes. Essa falsa impressão é também decorrente daquela já referida redução que os fatos linguísticos têm sofrido.”



6 - Q439372 ( Prova: IF-SC - 2014 - IF-SC - Professor - Português / Português )

Assinale a alternativa em que a classificação apresentada entre parênteses esteja CORRETA em relação ao termo destacado em cada frase.



7 - Q439373 ( Prova: IF-SC - 2014 - IF-SC - Professor - Português / Português )

Considere a leitura do excerto a seguir para responder à questão.


[...] a primeira campanha a ser feita, por todos na sociedade, é a favor da mudança de atitude.
Cada um de nós, professor ou não, precisa elevar o grau da própria auto-estima linguística:
recusar com veemência os velhos argumentos que visem menosprezar o saber linguístico
individual de cada um de nós. Temos de nos impor como falantes competentes de nossa língua
materna. Parar de acreditar que “brasileiro não sabe português”, que “português é muito difícil”,
que os habitantes da zona rural ou das classes sociais mais baixas “falam tudo errado”. Acionar
nosso senso crítico toda vez que nos depararmos com um comando paragramatical e saber
filtrar as informações realmente úteis, deixando de lado (e denunciando, de preferência) as
informações preconceituosas, autoritárias e intolerantes.

(BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. São Paulo: Edições Loyola, 2004, p. 115)


De acordo com o excerto, assinale a alternativa CORRETA.



8 - Q439374 ( Prova: IF-SC - 2014 - IF-SC - Professor - Português / Português )

Assinale a alternativa CORRETA, considerando as ideias apresentadas no seguinte trecho. 


“A avaliação dos textos escritos pelos alunos é uma das atribuições mais importantes do professor (e uma das mais trabalhosas!). Devido a essa importância, é necessário desfazer um equívoco da cabeça de muitos professores: o mito segundo o qual avaliar é corrigir. Avaliação e correção não são a mesma coisa.

[...]
‘E qual o problema disso [corrigir as redações]?’ Alguém poderia perguntar. ‘Por acaso, existem redações de alunos perfeitas, que não têm erros?’, continuaria esse alguém. Essa pessoa estaria perdendo de vista o ponto mais importante da questão em foco. Se o professor lê o texto dos alunos com o objetivo de procurar erros e corrigi-los, a rigor, ele não lê o texto, pois a leitura de um texto é o ato de interação entre texto e leitor na produção de significados.” 
 
OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber – a teoria na prática. São Paulo: Parábola Editorial, 2010. P. 163-4.



9 - Q439376 ( Prova: IF-SC - 2014 - IF-SC - Professor - Português / Português )

Assinale a alternativa CORRETA, que melhor se relaciona à definição de gêneros textuais.



10 - Q439377 ( Prova: IF-SC - 2014 - IF-SC - Professor - Português / Português )

      1  “Ontem a tarde, resolvemos sair para um passeio. Na verdade, pretendíamos arejar
      2    um pouco a cabeça por que achávamos desumano o que havia acontecido. Já
      3    sabíamos que a justiça havia se negado a fazer a cessão do terreno a nossa
      4    comunidade e isso deixou todos indignados.
      5    Contávamos com uma posição da justiça que fosse favorável à nós, mas isso não
      6    aconteceu e ficamos todos decepcionados. Olhávamos uns para os outros e víamos
      7     todos ansiosos por uma decisão que não chegava.
      8     Quando afinal tivemos uma resposta, ao invés de o advogado dizer-nos o
      9     que queríamos ouvir, ele disse que a justiça, ainda nos infringiu uma pena
    10      por reinvindicarmos nossos direitos. Nesse momento, todos, sem excessão,
    11      deixaram a sala e voltaram a vida cotidiana.”


Suponha que você tenha sido convidado para fazer a revisão do texto acima. A partir de sua análise, marque (V) para o que for verdadeiro e (F) para o que for falso. Em seguida, assinale a alternativa que contém a sequência CORRETA das respostas, de cima para baixo.

( ) A palavra “infringiu” (linha 9) foi utilizada de modo inadequado na frase; o correto seria “infligiu”.
( ) Todas as palavras estão grafadas corretamente na linha 2 do texto.
( ) Na linha 5, o acento grave foi empregado corretamente.
( ) A expressão “ao invés de” (linha 8) deveria ser substituída por “em vez de”.
( ) Considerando-se a norma padrão da escrita, há desvio ortográfico nas palavras “reinvindicarmos” (linha 10) e “excessão” (linha 10).
( ) Na linha 11, em “[...] voltaram a vida cotidiana”, deveria haver um acento grave.
( ) Na linha 9, há uma vírgula empregada de modo inadequado.

Assinale a opção que contém a sequência CORRETA, de cima para baixo:




GABARITOS:

Somente os colaboradores contribuintes podem visualizar os gabaritos.

Invista nessa Ideia
Para ter acesso ilimitado invista nessa ideia! Torne-se um Colaborador Contribuinte agora mesmo!


Questões de  Concursos
Você está limitado a imprimir apenas uma página contendo 10 questões.
Invista nessa Ideia
Para ter acesso ilimitado invista nessa ideia! Torne-se um Colaborador Contribuinte agora mesmo!